Novas Comunidades: Primavera da Igreja

"As Novas Comunidades têm assumido,com especial atenção,a evangelização,enfatizando o anúncio,a conversão,a experiência pessoal de fé".(Subsídio 3 da CNBB,30)


Deixe um comentário

Sou fruto das Novas Comunidades

 

“Eu sou a videira verdadeira,e meu Pai é o agricultor.Todo ramo que não der fruto em mim, ele o cortará; e o podará todo o que der fruto,para que produza mais fruto. Vós estais puros pela palavra que vos tenho anunciado.Permanecei em mim e eu permanecerei em vós.O ramo não pode dar fruto por si mesmo,se não permanecer na videira.Assim também vós;não podeis tampouco dar fruto,se não permanecerdes em mim.Eu sou a videira; vós, os ramos.Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto;porque sem mim nada podeis fazer.”(Jo 15,1-5).

o tema dessa formação “Sou Fruto das Novas Comunidades”, fortalece em cada um de nós um apelo fundamental para que possamos então trabalhar o nosso ser para produzir os frutos de nossas vidas,transformando-as em cada passo de nossas vidas colocando em prática todo o nosso serviço a Igreja,contudo todos nós sabemos que é necessário dar frutos a todo instante produzindo de nós mesmos o verdadeiro fruto da videira verdadeira assim como Jesus mencionou na passagem bíblica de São João,relatando sobre o episódio da Videira e dos ramos.O Concílio Vaticano II nos faz uma formação experimentando o que nós devemos fazer nesse texto conciliar de que “Amadurecendo a consciência da própria personalidade,e impulsionados pelo ardor da vida e pela atividade exuberante,assumem responsabilidades próprias e desejam participar na vida social e cultural.” (cf. Decreto Apostolicam Actuositatem 13).

Afinal de contas,os leigos também poderão contribuir mais a sua vida produzindo mais frutos colocando em prática a consciência de que cada momento de sua vida na comunidade,é preciso fortalecer em dar seu testemunho de amor mas também precisamente é colocar toda a condição de discípulo missionário,assumir a sua responsabilidade contando com as condições de levar em conta de que o carisma na comunidade está cada vez mais aumentando o dom de sua vida e experiência única de viver a espiritualidade cristã na vida comunitária.A Congregação para os Institutos de Vida Consagrada em seu documento Vida Fraterna em Comunidade,afirma alguns pontos que a comunidade deverá fazer e se cumprir de acordo com o que pede a Igreja:

“O processo de amadurecimento acontece na própria identificação com o chamado de Deus.Uma identidade incerta pode impelir,especialmente nos momentos de dificuldades,para uma auto-realização mal-entendida,com necessidade extrema de resultados positivos e da aprovação da parte dos outros,com exagerado medo do fracasso e depressão pelos insucessos.A identidade da pessoa consagrada depende do amadurecimento espiritual:é obra do Espírito,que impele a conformar-se a Jesus Cristo,conforme aquela particular modalidade que é dada pelo carisma originário,mediação do Evangelho aos membros de um determinado instituto.” (VFC 36).

É importante saber que as Novas Comunidades podem também contribuir com os seus membros a compreenderem melhor um caminho mais simples para que a possibilidade de produzir frutos em nossas vidas,é preciso fortalecer em nossas vidas,a experiência de um trabalho a serviço da evangelização,como dizia o salmista:“A terra deu o seu fruto,abençoou-nos o Senhor nosso Deus.” (Sl 66,7).As Novas Comunidades são chamadas também para produzir seus frutos com todos os seus membros,mas também é preciso fortalecer que a comunidade valoriza sempre com o trabalho de se produzir frutos dentro da Igreja,ou seja, é preciso valorizar o quanto que essa é uma forma de trazer em conta,os nossos deveres mas não é apenas uma obrigação, e sim é um favor que devemos cumprir por toda a geração,nós sabemos que a comunidade é feita para servir ao amor de Deus,essa é a condição de todos nós que devemos seguir esse trajeto de amor e esperança, é o que nos incentiva o Documento de Aparecida:

“Seu testemunho se mantém vigente e seus ensinamentos inspiram o ser e ação das comunidades cristãs do Continente.Entre eles,Pedro o apóstolo,a quem Jesus confiou a missão de confirmar a fé de seus irmãos (cf. Lc 22,31-32),os ajuda a estreitar o vínculo de comunhão com o Papa,seu sucessor,e a buscar em Jesus as palavras de vida eterna.” (DAp. 273).

“Nossos povos nutrem carinho especial e especial devoção por José,esposo de Maria,homem justo e fiel e generoso que sabe perder-se para achar no mistério do Filho.São José, o silencioso mestre,fascina atrai e ensina,não com palavras mas com o resplandescente testemunho de suas virtudes e de sua firme simplicidade.” (Idem. 274).

Devemos porém assumir o nosso compromisso como discípulos missionários de Jesus,viver a nova forma de vida comunitária sabemos que nós todos devemos levar em prática o caminho de santidade a todo instante mas é preciso saber que a comunidade necessita de uma forma de contribuir com a formação de seus membros,privilegiando para eles uma fé madura e viva,pois todos nós vivemos uma nova forma de trabalhar com o favorecimento de um serviço a uma comunidade cristã que procede em todo o mundo o serviço da evangelização.“Vós lançareis os vossos ramos e trareis o vosso fruto para o meu povo de Israel,porque sua volta está próxima.”(Ez 36,8).É nesse sentido,que os nossos olhos poderão abrir-se para um novo olhar um novo caminho a seguir nesse momento temos que continuar produzindo frutos e colhê-los para que a história da salvação continue sendo para todos nós o verdadeiro ensinamento de uma fé amadurecida em nossa vida,experimentando esse dom que temos nos dias de hoje,para isso é o que nos diz o nosso Senhor:

“Farei abundar os frutos das árvores e a colheita dos campos, afim de que não tenhais mais de sofrer entre as nações a vergonha da forme.Então lembrando-vos de vosso perverso proceder e de vossas ignóbeis  ações,vos desgostareis de vós mesmos,por causa das vossas iniquidades e de vossas abominações.”(Ez 36,30-31).

Portanto,a Palavra de Deus,busca orientações para que possamos então colher os frutos de nossas vidas,e é preciso também fortalecer na vida da comunidade esse exemplo de darmos conta de colher os nossos frutos de nossas vidas experimentando-as de acordo com que somos chamados por Deus a sermos os ramos,com essa virtude todos nós trabalhamos para darmos um novo passo definitivo de uma resposta que vamos dar a uma nova vida,caminhando nos passos de Deus para que a necessidade de colhermos os bons frutos é preciso também fortalecer o que é preciso colocar em condições um exemplo de vida comunitária.

” Radicados e vivificados pela videira,os ramos são chamados a dar fruto: “Eu sou a videira e vós os ramos.Quem permanece em mim e eu nele dá muito fruto” (Jo 15,5).Dar fruto é uma exigência essencial da vida cristã e eclesial.Quem não dá fruto não permanece na comunhão: “Toda vide que em mim não dá fruto ( o meu Pai corta-a” (Jo 15,2).”(ChL 32).

A explicação da Exortação Apostólica Christifideles Laici de João Paulo II,afirma com toda a clareza a respeito da videira e dos ramos a serem chamados a dar fruto,assim como foi feita a narrativa do texto bíblico do Evangelista São João no capítulo 15,onde Jesus diz que ele é a videira e o Pai é o agricultor (cf. Jo 15,1-5),nesse texto Jesus afirma que aquele que permanece nele vai cada vez mais produzir os seus frutos de acordo com a promessa de Deus feita por Jesus aos seus discípulos,portanto é necessário produzir os frutos e colhê-las com muito cuidado para que o fruto possa crescer cuidadosamente dando mais frutos para crescer fortalecido.É assim que vemos o quanto que é importante para nós darmos um sentido de uma vida concreta na Igreja,produzir os frutos a cada instante de nossas vidas,é preciso evangelizar,dar mais frutos em nossas vidas tendo em conta que a missão da Igreja é produzir os frutos para que toda a comunidade esteja sendo uma comunidade discípula e missionária.

Que Deus nos coloque em prática e nos ensine toda essa nova forma de produzir frutos para que possamos então levar em conta o caminho de levarmos todo nosso trabalho a serviço da evangelização claro que todos nós precisamos nos amadurecer na fé cristã e renovando sempre o nosso compromisso da Igreja,é assim que precisamos trazer na nossa vida os frutos de estarmos nas Novas Comunidades.Deus abençoe a todos.

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Para sempre seja louvado!

Joseph Charles D´Almada Batista

Comunidade Fraternidade Pequena Via


Deixe um comentário

A Espiritualidade das Novas Comunidades

Quando chegou o dia de Pentecostes,os discípulos estavam todos reunidos no mesmo lugar.De repente,veio do céu um ruído como de um vento forte,que encheu toda a casa em que se encontravam.Então apareceram línguas de fogo que se repartiram e pousaram sobre cada um deles.Todos ficaram cheios do Espírito Santo e começaram a falar em outras línguas,conforme o Espírito lhes concedia expressar-se.(At 2,1-4).

A espiritualidade das Novas Comunidades,deram um passo para progredir no empenho de uma vida renovada em Cristo Jesus,sendo assim,a comunidade cristã renova a sua espiritualidade através do desempenho fraterno dentro das Novas Comunidades.No entanto esse aspecto é fundamental para que todos estejam de fato,assumidos a vivenciar a espiritualidade cristã em uma comunidade.Nós já sabemos que a vida comunitária é de fato,um caminho mais importante para a nossa vida cristã,no caminho vocacional para se ingressar em uma comunidade.Outro exemplo é o que nos indica o Padre Wagner Ferreira no seu livro “As Novas Comunidades no Contexto Sociocultural Contemporâneo”,onde ele expressa totalmente o desempenho das Novas Comunidades terem uma ampla formação adequada:

                                            Dissertar sobre os NME e as NC é evidenciar o papel fundamental do pontificado de João Paulo II.Dirigindo sua palavra aos movimentos eclesiais,reunidos por ocasião do 2º Colóquio Internacional,o pontífice evidenciou a profunda relação existente entre essas novas realidades agregativas e o Concílio Vaticano II:”O grande florescimento desses movimentos e as manifestações de energia e de vitalidade eclesial que os caracterizam devem ser considerados certamente um dos frutos mais belos da vasta profunda renovação espiritual,promovida pelo último Concílio”. (Pe.Wagner Ferreira,As Novas Comunidades no Contexto Sociocultural Conteporâneo,p.51,Ed.Canção Nova,São Paulo 2011).

Seguindo esse texto,as NC,e os NME,sugerissem várias dissertações para evidenciar o papel fundamental do Papa João Paulo II,entretanto as Novas Comunidades,deveriam trabalhar com todo o contexto da dissertação teológica no padrão de estar dentro desse contexto de uma vida comunitária dentro da própria comunidade,sendo assim,temos a consciência elevar em todo instante esse aspecto de uma vida cristã nas Novas Comunidades.”Para estudar a dimensão formativa das comunidades novas,é fundamental o conhecimento do contexto sócio-histórico,político e eclesial em que elas surgiram e se desenvolveram.” (Maria Emmir Oquendo Nogueira,Nas mãos do Oleiro:Formação para as Comunidades Novas,p.11,Edições Shalom,2011,Aquiraz-CE,1ª Edição).

Existe uma maneira de compensar total estudo sobre as Novas Comunidades nesse principal sentido de serem uma nova agregação dentro da Igreja Católica,inspirando a condição assumida de viver totalmente o carisma de fundação o carisma próprio da comunidade,sendo inspiradas na formação dos seus membros.Assim as Novas Comunidades,surgiram desde o tempo em que o Concílio Vaticano II estava sendo inciado para tornar a evangelização mais ampla dentro da história da Igreja.Já os leigos,querem transmitir esse ardor missionário a todo instante para ampliar cada vez mais a sua missão na comunidade:

                                                                                Saber que o carisma,se é realmente algo que merece a pena,toca de forma importante uma vivência concreta,que é sempre realidade complexa (quanto a valores,presenças,encarnações,inclusive→estruturas). A lei da encarnação é importante em espiritualidade,e deve ter presença também na vivência  da espiritualidade religiosa.(Dicionário Teológico da Vida Consagrada,verbete Espiritualidade).

O foco mais importante para as Novas Comunidades,é de pura importância vivenciar uma espiritualidade concreta promovendo a fé cristã e a evangelização de cada membro se organizar na sua espiritualidade dentro de sua expectativa comunidade.Queridos leitores,todos nós estamos atentos a inspirar-nos dentro das Novas Comunidades através de uma fé renovada fluindo no coração de cada um de nós,elevemos a todos o caminho de esperança e salvação a todos que se expressam profundamente esse caminho de religiosidade a toda a comunidade um dom de fé,um dom de esperança um dom de caridade e finalmente,um dom de amor,cada passo que elevamos em nossas vidas,a comunidade gera em nós “Esta conjunção de duas linhas de compreensão,integração do estado religioso dentro do povo de Deus e diferenciação específica como estado de vida significativo,tornará possível a duplicidade de tratamento da teologia pós-conciliar,segundo se acentuarem os elementos de unidade ou de especificidade.” (Idem,verbete Igreja).

   Pois todos nós temos a graça de entendermos uma profunda representação nesse convívio dentro das Novas Comunidades e dos Novos Movimentos Eclesiais que sempre acompanhem todo o destino de uma fé renovada em Cristo Jesus,inspirados pelo dom do Espírito Santo sobre cada um de nós,levando em nossas mãos a nossa condição de espiritualidade elevando no coração todo o desempenho de uma fé renovada em todo caminho de fé e de espiritualidade cristã,que nos envolve no nosso encontro de toda a evangelização nas Novas Comunidades.


1 Comentário

Novas Comunidades:Uma Escola de formação

Apresentação:

Querido irmão e querida irmã,a partir desse momento,estarei escrevendo temas relacionados as Novas Comunidades em prol da Evangelização em que a Igreja,irá celebrar a Abertura do Ano da Fé que será iniciada em outubro de 2012 e vai se estender até novembro de 2013,o Papa Bento XVI,pede a todos que “Devemos readquirir o gosto de nos alimentarmos da Palavra de Deus,transmitida fielmente pela Igreja,e o Pão da vida,oferecidos como sustento de quantos são seus discípulos (cf.Jo 6,51).” (cf.Porta Fidei 3).

Ao celebrarmos os 50 anos da abertura do Concílio Vaticano II,e os 20 anos da publicação do Catecismo da Igreja Católica,sugerimos que a Fé possa ser transmitida pelos cristãos assumindo o caminho de se tornar discípulo e missionário.Pois a missão favorece aos cristãos a perfeição de uma caminhada de projeto de formação para os membros das Novas Comunidades.Entretanto:

                                                      Os fiéis têm o direito de fundar e dirigir livrimente associações para fiéis de caridade e piedade,ou para       favorecer a vocação cristã no mundo,e de se reunir para a consecução comum dessas finalidades.Todos os fiéis,já que participam da missão da Igreja,têm o direito de promover e sustentar a atividade apostólica,segundo o próprio estado e condição,também com iniciativas próprias;nenhuma iniciativa,porém,revidique oara si o nome de católica,a não ser com o consentimento da autoridade eclesiástica competente. ¹

O desempenho das Novas Comunidades se tornarem uma nova agregação,podemos garantir que as NC e os NME,são intensificados a viverem a vida fraterna quando começarmos a entender esse objetivo de uma missão importante para todos os membros.A seguir esse objetivo temos o encontro de formação que todos nós empenharmos no trabalho de evangelização.“A multidão dos fiéis era um só coração e uma só alma.Ninguém considerava suas coisas que possuía,mas entre eles era posto em comum.” ²

Assim as Novas Comunidades surgem de fato para dar um passo para que a evangelização chegue até as pessoas e principalmente os fiéis leigos que querem ter um chamado próprio para a Vocação Cristã.Mas afinal,o que significa Vocação? A resposta é simples:

A vocação (do latim vocatio,ação de chamar) supõe o encontro de duas liberdades:a liberdade absoluta de Deus,que chama,e a liberdade humana,que responde a este→chamado.O conceito interessa tanto à teologia quanto às ciências humanas.Em teologia,a vocação é inspiração ou moção interior pela qual Deus chama a pessoa a determinado estado ou forma de vida.³

Portanto,a vocação é de fato,um chamado para vários tipo de forma de vida,pode ser pela Vocação Sacerdotal,vocação para o Matrimõnio ,ou chamado a vida religiosa e/ou celibatário,entre outras formas de vida que o leigo poderá sentir esse chamado para a essas formas de vida.O que mais interessa em todos nós é que as Novas Comunidades,estão adaptadas para confirmar esse projeto de formação para com os seus membros,portanto,sabemos que as Comunidades Novas,se desempenham no caminho vocacional esse exemplo de concretizar,crescer na espiritualidade,portanto sabemos que no caminho da evangelização,temos a graça de conduzir esse caminho de fé e de salvação vivida na história da Igreja.As Novas Comunidades,têm a sua ampla formação sabendo conviver o caminho missionário que coloca em prática todo esse processo de formação,mas é preciso que os novatos,precisam trabalhar no processo do caminho vocacional se preparar para serem formados e como dizia Mons.Jonas Abib,fundador da Comunidade Canção Nova: “Formar homens novos para um mundo novo!”

A experiência de viver totalmente a vida em comunidade,traz no coração das pessoas o caminho de uma vida completa em nossas vidas,as Novas Comunidades,são chamadas para crescer totalmente a espiritualidade das pessoas que querem ingressar ativamente em uma comunidade.Sabemos que também a vida comunitária passa a viver intensamente a sua vocação através da formação,vivendo totalmente o amplo amor de evangelizar a todos.“Todavia,muitos que tinham ouvido a pregação abraçaram a fé,e os membros da comunidade chegaram a uns cinco mil.” (At 4,4).Portanto fica claro que nós queremos dar essa continuidade para mostrar o quanto que as Novas Comunidades sejam comunidades primitivas dentro da Igreja Católica Apostólica Romana.

_____________

¹Código do Direito Canônico,Cânones 215 e 216

² At 4,32

³ Dicionário Teológico da Vida Consagrada,Verbete Vocação,pp.1142-1143

Joseph Charles D´Almada Batista

Consagrado da Comunidade de Aliança

Fraternidade Pequena Via

Festa de São Maxiliano Kolbe

14 de Agosto de 2012

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

Junte-se a 1.170 outros seguidores