Mensagem do Santo Padre a Fraternidade Católica de Comunidades e Associações Carismáticas de Aliança no 25º Aniversário da Aprovação Pontifícia

Mensagem do Santo Padre a Fraternidade Católica de Comunidades e Associações Carismáticas de Aliança no 25º Aniversário da Aprovação Pontifícia

Queridos irmãos e irmãs,

Feliz Aniversário!

O Senhor os abençoe, especialmente neste Jubileu de Prata da aprovação pontifícia da Fraternidade Católica. Recordo-lhes que o desejo dos fundadores Briam Smith e Bob Cavner foi o de vincularem-se mais direta e filialmente com o sucessor de Pedro mediante o acompanhamento do Pontifício Conselho para os Leigos. Estes vinte e cinco anos deram frutos de crescimento em número de comunidades, assim como em diversidade de carismas e em relações de comunhão fraterna. Por isso, demos graças a Deus.

No ano passado, no encontro com a Renovação Carismática em 01 de julho, no Estádio Olímpico, vocês já estavam preparando um passo adiante, que poucos meses depois se converteu em realidade: A Fraternidade Católica de Comunidades e ICCRS – os dois organismos a serviço da Renovação no Mundo – compartilhando o mesmo escritório, dando assim testemunho de uma única corrente de graça manifesta na grande diversidade que o Espírito Santo cria.

Esta decisão de aprpost 49ofundar a comunhão entre vocês é já uma realidade que já me alegrou muito! As mudanças sempre são difíceis, e custa sair de nossas seguranças e espaços próprios para seguir ao que o Senhor nos inspira. Também se necessita a coragem que vem do Espírito, eu lhes agradeço por isso. Ao mesmo tempo, puderam comprovar que nem vocês Fraternidade Católica, nem o ICCRS perderam suas características próprias, mas que, pelo contrariam, enriqueceram-se na comunhão, porque a comunhão é obra do Espírito Santo.

Como vocês sabem, seguindo ao parecer do conselho de Cardeais, formado para me ajudar no governo da Igreja e na reforma da Cúria, instituí a Congregação de Leigos e Família, a que se ligará a Pontifícia Academia para a Vida. Neste espírito de conservar o essencial e reformar o acidental para um melhor serviço aos homens e mulheres de nossos tempos no qual a Igreja está empenhada, creio que este é o momento de discernir juntos – Catholic Fraternity e ICCRS – à luz da experiência de comunhão que já começaram a viver, a necessidade de continuar aprofundando esta comunhão conformando um único serviço à Renovação Carismática Mundial que represente a mesma corrente de graça, sem perder as características próprias de cada um. Isto significa que ambos – Catholic Fraternity e ICCRS – possam oferecer a experiência vivida à múltipla variedade expressões que o Espírito Santo quis suscitar em nível mundial.

Peço-lhes que – Catholic Fraternity e ICCRS – avancem neste caminho de comunhão.

“Alarga o espaço da tua tenda, desdobra sem constrangimento as telas que te abrigam, alonga tuas cordas, consolida tuas estacas, pois deverás estender-te à direita e à esquerda; teus descendentes vão invadir as nações, povoar as cidades desertas. Nada temas, não serás desapontada. Não te sintas perturbada, não terás do que te envergonhar, porque vais esquecer-te da vileza de tua mocidade. Já não te lembrarás do opróbrio de tua viuvez. IS 54, 2- 4

Alargar e estender a tenda desta comunhão seria a melhor maneira de celebrar o jubileu. Na comunhão, todos se fortalecem e ninguém perde a identidade; isto seria uniformidade, à qual certamente não vem do Espírito; antes, a comunhão na diversidade que Ele suscita.

Espero, ainda, resposta à carta pessoal que entreguei aos presidentes de Catholics Fraternity e ICCRS durante minha visita ao III Retiro Mundial de Sacerdotes, no dia 12 junho passado, onde falei-lhes neste sentido.

No Pentecostes de 2017 cumprem-se cinquenta anos da irrupção desta corrente de graça na Igreja Católica. Eu lhes convidei a celebrar este jubileu de ouro junto ao Bispo de Roma, na praça de São Pedro. Que não seja a celebração de um Movimento, que vocês de fato não o são, mas que seja a renovação de Pentecostes para a Igreja e para o Mundo junto a todos os cristãos que viveram a experiência de nascer de novo da que fala Jesus a Nicodemos. A Igreja e o mundo necessitam, hoje mais do que nunca, do Espírito Santo. Necessitam mais do que nunca do anúncio do querigma, proclamado por Pedro na manhã de Pentecostes, e para isto os cristãos devem estar unidos como pede o Senhor, para testemunhar juntos o amor misericordioso do Pai, que não faz acepção de pessoas, manifesto em Jesus Cristo, Senhor e Salvador.

Alegra-me que duas pessoas que colaboraram comigo por anos em minha diocese anterior, trabalhando para uma melhor compreensão e unidade da corrente de graça, assim como na tarefa ecumênica para a unidade do corpo de Cristo estejam hoje dentro da Fraternidade Católica. Seus conhecimentos e experiência lhes pode ser de grande ajuda para colocar em marcha estes dois grandes desafios que vocês têm por diante.

Termino reafirmando a missão que lhes tinha dado no ano passado: Compartilhem com cada um na Igreja o Batismo no Espírito Santo. Não se esqueçam suas origens: A Renovação Carismática nasceu ecumênica; o ecumenismo do encontro na oração fraterna, no serviço ao próximo e na oração de intercessão por nossos mártires comuns.  Trabalhem para aliviar as necessidades dos mais fracos e vítimas de todo o sofrimento humano. Aproximem-se e toquem, através deles, nas chagas do próprio Jesus. Compartilhem também com eles o Batismo no Espírito Santo. Os três primeiros documentos de Malinas tocam com profundidade nestes temas, dos quais lhes falei em outras oportunidades como um guia seguro para seu agir.

Neste ano da misericórdia que está por começar vocês sejam misericordiosos entre vocês e com o próximo. Saibam distinguir entre o pecado e o pecador. Ao pecador, misericórdia como a de Jesus. Ao pecado, rechaço e pedido de perdão. Para assim fazê-lo, fortaleçam-se diariamente com a oração de louvor, dom do Espírito Santo, que vocês redescobriram para a Igreja e que leva a uma cada vez mais intimidade com o Deus Trinitário.

Dou-lhes a minha benção com todo o afeto. Jesus os abençoe e as Virgem Santa os cuide. Peço-lhes, por favor, que não deixem de rezar por mim.

Vaticano, 30 de outubro de 2015

Papa Francisco

 

Anúncios

Vivendo a misericórdia em comunidade

“Portanto,como eleitos de Deus,santos e amados,vesti-vos com sentimentos de compaixão,com bondade,humildade,mansidão,paciência; suportai-vos uns aos outros e, se um tiver motivo de queixar contra o outro,perdoai-vos mutuamente.Como o Senhor vos perdoou,fazei assim também vós.” (Col 3,12-13).

Queridos irmãos e irmãs.das Novas Comunidades,conforme eu prometi escrever aqui no Blog das Novas Comunidades,um artigo sobre o tema “Vivendo a misericórdia em comunidade”,tema central do Encontro Diocesano das Novas Comunidades da Diocese de Campos,RJ.A Palavra de Deus escrita na Carta de São Paulo aos Colossenses,descreve esse importante caminho,como devemos viver a misericórdia em nossas comunidades.A pregação desse tema,feita pelo sacerdote da Comunidade Canção Nova,Padre Reinaldo,nos motivou como podemos experimentar essa graça da misericórdia de Deus,estamos no Ano Santo da Misericórdia,no qual,o Papa Francisco,convoca a todos nós a celebrarmos esse momento importante para nós.Aqui está o nosso desafio.

É muito mais que um sentimento.Deus por entranhas por nós em misericórdia Sentimento,não salva,mas as entranhas sim. Misericórdia  acolhe-nos dentro da vida de Deus.Misericórdia é rebaixar.Como dizia o Papa Francisco “Misericórdia e missão estão juntas”.Precisamos nos questionar a misericórdia em comunidade para os outros irmãos que vem aos nossos encontros.A gente acolhe a pessoa como ela é.Como a misericórdia é dentro da comunidade? Vivo a misericórdia como vivo  os meus irmãos? “Para o outro máximo de misericórdia para o outro exigência” (Autor desconhecido).Nós acolhemos as fraquezas dos nossos irmãos de nossas comunidades? Precisamos ter dentro das comunidades a questão da misericórdia.É necessário ter entranhas para com o próximo.Temos que ter as entranhas.A misericórdia faz parte da conexão,é uma salvação para a vida do irmão.Misericórdia,não é passar a mão na cabeça.Deus sabe que estamos caindo,quando ele cai ele também tem as minhas entranhas de misericórdia.A vida em comunidade é ajudar à pessoa ser santa.Elas precisam ouvir se vão ficar na comunidade.

Cabe a nós lembrando que a misericórdia de Deus não exclui ninguém.Precisamos parar de viver da cultura.Desse jeito,ninguém entra,não tem vocação,o teu carisma é para salvar e não para destruir ás pessoas.Como estou vivendo a misericórdia na minha comunidade?

Os irmãos que são do mesmo carisma,nós precisamos viver e como podemos viver a misericórdia com o irmão.A missão,em primeiro lugar,acontece. A evangelização acontece porque seu irmão exite.A comunidade existe porque seus irmãos existem.A misericórdia é a mãe da bondade,humildade,paciente,e bondoso.Precisa corrigir e ter paciência com aquele que quer mudar,aquele que quer ser acolhido.Estar como suportes como o irmão está caindo.Temos que ter essa atitude de misericórdia para com os irmãos  que precisam de resgate,dizia Santo Agostinho: “Somos como vasos de argila”.Se a gente não vive a misericórdia, a comunidade quebra como um vaso.Nós precisamos com o coração abraçar e corrigir os erros do irmão.O perdão é para a comunidade é como um óleo e porta vai ficar macia.A não misericórdia,abre as rachaduras.A misericórdia atrai aos outros a pura vivência do carisma.A parcela na comunidade precisa começar por mim.

Por isso,queridos irmãos e irmãs,concluindo esse artigo,nós todos precisamos ser anunciadores da misericórdia do Pai,precisamos então,acolher o irmão,colocarmos em prática,a compaixão e a misericórdia para com o outro (cf.Lc 7,11-17),precisamos ter a misericórdia também para com o outro,portanto precisamos também entrar como misericordiosos como o Pai (cf.Misericordiae Vultus 14;Lc 6,36).Que esse artigo possa ajudar você a compreender o sentido de viver a misericórdia em comunidade.Deus seja louvado!

Joseph Charles D´Almada Batista,Comunidade de Aliança

Fraternidade Pequena Via,Campos dos Goytacazes,RJ