“Perseverar na oração” (At 1,14)

blog3

“Voltaram eles então para para Jerusalém do monte chamado das Oliveiras,que fica perto de Jerusalém,distante uma jornada de sábado.Tendo entrado no cenáculo,subiram ao quarto de cima,onde costumavam permanecer.Eram eles; Pedro e João,Tiago,filho de Alfeu,Simão,o Zelador,e Judas,irmão de Tiago.Todos eles perseveravam unanimemente na oração,juntamente com as mulheres,entre elas Maria,mãe de Jesus,e os irmãos deles.” (At 1,12-14).

Nesse final de semana a tv Canção Nova teve a graça de transmitir o Kairós das Novas Comunidades com o tema “Perseverar na Oração”,tema citado na Bíblia no Livro dos Atos dos Apóstolos é com gratidão que Deus tem feito para todos nós que somos membros das Novas Comunidades temos a graça de ter o verdadeiro caminho de sermos perseverantes na oração.Unidos juntamente com todos os consagrados e consagradas das Novas Comunidades no dia de hoje.Na primeira pregação do evento teve como o tema “Perseverar na oração através da Palavra” o fundador da Comunidade Face de Cristo Aluízio Nóbrega ele dizia na sua pregação que A misericórdia de Deus é a resposta dele por seu amor por nós.A nossa conversão ela só acontece na oração e ali ele fez uma pergunta para cada um de nós,pra você quem é Jesus?

Já na segunda pregação,o fundador da Comunidade Doce Mãe de Deus Inaldo Alexandre pregava sobre o tema “Celebrando o dom de Deus”.Nessa pregação ele fala com muita clareza sobre as Novas Comunidades onde ali ele explicava que todos estavam no Cenáculo e todos estavam machucados e estavam aguardando a espera desse momento da vinda do Espírito Santo nesse sentido é fundamental,que as Novas Comunidades estão sempre presentes em nossas vidas,no caminho mais profundo da nossa fé e da nossa responsabilidade,entretanto o caminho de fé está sempre no caminho da nossa oração,posso dizer que as Novas Comunidades fortalecem para nós a nossa celebração de nosso dom,o importante é sentir que o caminho de Deus está sempre em nossas vidas.

Por isso,o Documento de Aparecida afirma com clareza:

“Os movimentos e novas comunidades constituem valiosa contribuição na realização da Igreja  Particular.Por sua própria natureza,expressam a dimensão carismática da Igreja: “Na Igreja não há contraste ou contraposição entre a dimensão carismática,da qual os movimentos são expressão significativa,porque ambos  são igualmente essenciais para a constituição divina do Povo de Deus”.Na vida e ação evangelizadora da Igreja,constatamos que no mundo moderno devemos responder a novas situações e necessidades da vida cristã.” (DAp 311).

Portanto as Novas Comunidades precisam ser totalmente perseverantes na oração vivenciar totalmente o seu carisma clamando ao Espírito Santo para reavivar o carisma que está diante de cada um de nós nesse momento de fé,momento de oração e principalmente a formação.Novas Comunidades são as expressões que a Igreja Católica vive no momento importante para que os fiéis leigos são chamados a vivenciar segundo o Documento de João Paulo II a Exortação Apostólica Christifideles Laici no número 30,falando a respeito da Comunhão eclesial e especialmente o caminho de fé e de profunda comunhão com o Senhor,é estar presente na vida e na oração.

“As Novas Comunidades e os Movimentos Eclesiais são chamados a este caminho de Santidade.” (Inaldo Alexandre-Comunidade Doce Mãe de Deus).

A Oração é um verdadeiro dom de Deus em nossas vidas,esse caminho de santidade faz com que todos nós estejamos sempre atentos ao caminho da nossa fé,renovando sempre o caminho de perseverar na nossa fé é importante pedir ao Espírito Santo que nos traga esse dom de celebrar os nossos caminhos de celebrarmos o dom de Deus em nossas vidas.Mas,o importante para cada um de nós é viver a graça de sermos santos,viver essa experiência de ser membro de uma comunidade,trago agora aqui um testemunho que eu tenho a todos que estão lendo esse artigo nesse blog:

Em 2006 tive uma experiência profunda fazendo um retiro espiritual de carnaval na cidade de Varre-Sai,RJ,com a Comunidade Católica Missão Malaquias,eu nunca tinha feito um retiro assim antes,mas senti que Deus tem me chamado para voltar a sua Igreja naquele ano,pois eu tinha me afastado da Igreja desde 1996 pois em 1995 eu havia perdido meu irmão em um trágico acidente de carro na proximidade de São João da Barra,RJ,quando voltava para casa,mas nesse ano de 2006 pude voltar para a Igreja mas me senti muito aliviado por voltar a minha paróquia de origem a Paróquia do Sagrado Coração de Jesus aqui na Diocese de Campos dos Goytacazes,RJ.Tive a graça de participar muitas vezes dos retiros de carnaval e nunca mais parei de fazer e até hoje há mais de 7 anos estou fazendo esse retiro.Em 20 de abril de 2009,tive a graça de entrar na Pastoral da Acolhida na mesma paróquia,recebi a autorização para participar dessa pastoral,pude compreender que quando eu iniciei o meu ministério na Paróquia,pude então compreender que me senti renovado pelo Espírito Santo sentir esse exemplo de carisma que senti dentro de mim.

Agora no ano de 2008 tive a graça de ler o livro “Novas Comunidades Primavera da Igreja”.Nesse livro pude então ter a graça de conhecer melhor o trabalho das Novas Comunidades,quando eu li a apresentação feita pelo então Arcebispo de Palmas naquela época,Dom Alberto Taveira Corrêa,hoje Arcebispo de Belém do Pará,fiquei impressionado com esse texto,e pensei comigo mesmo em querer participar de alguma comunidade,pensava muito na Comunidade Canção Nova,ou na Comunidade Shalom,para vivenciar como leigo consagrado na Comunidade de Vida ou de Aliança,e o texto da apresentação desse livro me chamou a atenção:

“Amem profundamente a Igreja,insiram-se com fidelidade na vida das Igrejas locais e sejam,como base de todo o resto,capazes do amor recíproco,que faz os homens e as mulheres de nosso tempo nos reconhecer como verdadeiros discípulos de Cristo.Como não temos,por nós mesmos,tal força,que nos seja concedido o Espírito Santo,que é por si comunhão e unidade.” (Dom Alberto Taveira Corrêa).

Pois bem,com esse texto tive a graça de contemplar o que tinha tudo em comum quando eu tive a graça no ano de 2010 após o curso Nova Vida,curso promovido e realizado pela Escola de Evangelização Santo André aqui em Campos dos Goytacazes,RJ na sede da Comunidade Aliança Eterna,tive a oportunidade de estar presente nesse sentido de uma vida mais importante em minha vida de ingressar na Comunidade Católica Fraternidade Pequena Via,o carisma da comunidade tem como sua espiritualidade a Pequena Via de Santa Teresinha do Menino Jesus e da Sagrada Face.As Novas Comunidades para mim são as expressões em que pude então compreender o quanto fico admirado com o trabalho desse movimento importante para a minha vida.Portanto queridos irmãos e irmãs das Novas Comunidades,vamos dar essa experiência de fé e de perseverarmos na oração nos momentos em nossas vidas quando somos chamados a vivermos a santidade a todo instante em nossas vidas,que Deus sempre nos ajude a cada dia mais tornando mais o verdadeiro caminho de fé e de santidade.

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Para sempre seja louvado!

Joseph Charles D´Almada Batista

Com.Fraternidade Pequena Via

Comunidade de Aliança-Campos,RJ

Perseverar na oração através da Palavra

“Ora,naqueles dias veio Jesus de Nazaré,da Galilèia,e foi batizado por João,no Jordão.No momento em que Jesus saiu da água,João viu os céus abertos e descer o Espírito em forma de pomba sobre ele.E ouviu-se dos céus uma voz: “Tu és o meu Filho muito amado;em ti ponho minha afeição.” E logo o Espírito o impeliu para o deserto.Aí esteve quarenta dias.Foi tentado pelo demõnio e esteve em companhia dos animais selvagens.E os anjos o serviam.Depois que João foi preso,Jesus dirigiu-se para a Galíléia.Pregava o Evangelho de Deus e dizia: “Completou-se o tempo e o Reino de Deus está próximo;fazei penitência e crede no evangelho.” (Mc 1,9-15).

Várias pessoas oravam em línguas.A leitura diária foi um tesouro é uma pérola nova,um tesouro novo.Todos nós muitas vezes,a Igreja ganha mais um intercessor,O Espírito Santo sopra na Igreja.Quando o Espírito Santo enche a gente,o Papa Francisco pede a todos a rezarem por ele e pelo Papa emérito Bento XVI.A Igreja precisava de alguém que demonstre valores.A idéia dele é que sejamos cristãos.Sem a oração não conseguiríamos nada.A Páscoa é antes de tudo morrer para o pecado,é antes de tudo morrer por nós mesmos..É deixar a maneira de ser.É a Palavra de Deus e porque a Palavra de Deus nos orienta.O número 40 significa uma geração,Jesus é um homem orante.A vida inteira de Jesus foi a tentação.A nossa vida a nós também.

Jesus inaugura sua pregação “Arrependei-vos e crede no Evangelho”.(cf.Mc 1,15).Na Carta aos Hebreus diz que “Jesus Cristo é o mesmo de ontem,hoje e sempre.” (Hb 13,8).A misericórdia de Deus é a resposta dele por seu amor por nós.A nossa conversão é a resposta da misericórdia de Deus,a conversão ela só acontece na oração.De fato,Jesus é o Senhor da nossa vida,o que ele diz é o que vale.É Deus que vai falar,é algo grandioso.

Advento: um mistério que envolve inteiramente o cosmo e a história

Palavras de Bento XVI durante a oração mariana do Angelus

CIDADE DO VATICANO, domingo, 2 de dezembro de 2012 (ZENIT.org) – Apresentamos a seguir as palavras de Bento XVI dirigida aos fiéis e peregrinos reunidos na praça de São Pedro para a tradicional oração mariana do Angelus.

Queridos Irmãos e irmãs

Hoje a Igreja inicia um  novo Ano Litúrgico, um caminho que é enriquecido pelo Ano da Fé, 50 anos após a abertura do Concilio Ecumênico Vaticano II.  O primeiro tempo deste itinerário é o Advento, formado, no Rito Romano, pelas quatro semanas que antecedem o Natal do Senhor, isto é, a Encarnação. A palavra “advento” significa “vinda” ou “presença”. No mundo antigo indicava a visita do rei ou do imperador a uma província; na linguagem cristã refere-se à vinda de Deus, à sua presença no mundo; um mistério que envolve inteiramente o cosmo e a história, mas que conhece dois momentos culminantes: a primeira e a segunda vinda de Jesus Cristo. A primeira é a própria encarnação; a segunda é o retorno glorioso ao fim dos tempos. Estes dois momentos, que cronologicamente são distantes – e não se sabe o quanto -, tocam-se profundamente, porque com sua morte e ressurreição Jesus já realizou a transformação do homem e do cosmo que é a meta final da criação. Mas antes do final, é necessário que o Evangelho seja proclamado a todas as nações, disse Jesus no Evangelho de São Marcos (cf Marcos 13,10). A vinda do Senhor continua, o mundo deve ser penetrado pela sua presença. E esta vinda permanente do Senhor no anuncio do Evangelho requer continuamente nossa colaboração; e a Igreja, que é como a Noiva, a esposa prometida do Cordeiro de Deus crucificado e ressuscitado (cf Ap 21,9), em comunhão com o Senhor colabora nesta vinda do Senhor,  na qual ja inicia o seu retorno glorioso.

A isto nos convida hoje a Palavra de Deus, traçando a linha de condução a seguir para estarmos prontos para a  vinda do Senhor. No Evangelho de Lucas, Jesus diz aos discípulos: “Os vossos corações não fiquem sobrecarregados com dissipação e embriaguez e dos cuidados da vida… vigiai em cada momento orando” (Lucas 21, 34.36). Portanto, sobriedade e oração. E o apostolo Paulo acrescenta o convite a “crescer e avantajar no amor” entre nos e com todos, para tornar nosso coração firme e irrepreensível na santidade (cfr 1 Ts 3,12-13). Em meio aos transtornos do mundo, ou ao deserto da indiferença e do materialismo, os cristãos acolham do Senhor a salvação e a testemunhem com um modo diverso de viver, como uma cidade colocada sobre um monte. “Naqueles dias- anuncia o profeta Jeremias- Jerusalém viverá tranquila, e será chamada: Senhor – nossa – justiça (33,16). A comunidade dos crentes é sinal do amor de Deus, da sua justiça que é já presente e operante na historia mas que ainda não foi plenamente realizada, e portanto, deve ser sempre esperada, invocada, procurada com paciência e coragem.

A Virgem Maria encarna perfeitamente o espirito do Advento, feito da escuta de Deus, do desejo profundo de fazer a sua vontade, de alegre serviço ao próximo. Deixemo-nos guiar por ela, para que o Deus que vem não nos encontre fechados ou distraídos, mas possa, em cada um de nos, estender o seu reino de amor, de justiça e de paz.

Fonte: Zenit

Sou fruto das Novas Comunidades

 

“Eu sou a videira verdadeira,e meu Pai é o agricultor.Todo ramo que não der fruto em mim, ele o cortará; e o podará todo o que der fruto,para que produza mais fruto. Vós estais puros pela palavra que vos tenho anunciado.Permanecei em mim e eu permanecerei em vós.O ramo não pode dar fruto por si mesmo,se não permanecer na videira.Assim também vós;não podeis tampouco dar fruto,se não permanecerdes em mim.Eu sou a videira; vós, os ramos.Quem permanecer em mim e eu nele, esse dá muito fruto;porque sem mim nada podeis fazer.”(Jo 15,1-5).

o tema dessa formação “Sou Fruto das Novas Comunidades”, fortalece em cada um de nós um apelo fundamental para que possamos então trabalhar o nosso ser para produzir os frutos de nossas vidas,transformando-as em cada passo de nossas vidas colocando em prática todo o nosso serviço a Igreja,contudo todos nós sabemos que é necessário dar frutos a todo instante produzindo de nós mesmos o verdadeiro fruto da videira verdadeira assim como Jesus mencionou na passagem bíblica de São João,relatando sobre o episódio da Videira e dos ramos.O Concílio Vaticano II nos faz uma formação experimentando o que nós devemos fazer nesse texto conciliar de que “Amadurecendo a consciência da própria personalidade,e impulsionados pelo ardor da vida e pela atividade exuberante,assumem responsabilidades próprias e desejam participar na vida social e cultural.” (cf. Decreto Apostolicam Actuositatem 13).

Afinal de contas,os leigos também poderão contribuir mais a sua vida produzindo mais frutos colocando em prática a consciência de que cada momento de sua vida na comunidade,é preciso fortalecer em dar seu testemunho de amor mas também precisamente é colocar toda a condição de discípulo missionário,assumir a sua responsabilidade contando com as condições de levar em conta de que o carisma na comunidade está cada vez mais aumentando o dom de sua vida e experiência única de viver a espiritualidade cristã na vida comunitária.A Congregação para os Institutos de Vida Consagrada em seu documento Vida Fraterna em Comunidade,afirma alguns pontos que a comunidade deverá fazer e se cumprir de acordo com o que pede a Igreja:

“O processo de amadurecimento acontece na própria identificação com o chamado de Deus.Uma identidade incerta pode impelir,especialmente nos momentos de dificuldades,para uma auto-realização mal-entendida,com necessidade extrema de resultados positivos e da aprovação da parte dos outros,com exagerado medo do fracasso e depressão pelos insucessos.A identidade da pessoa consagrada depende do amadurecimento espiritual:é obra do Espírito,que impele a conformar-se a Jesus Cristo,conforme aquela particular modalidade que é dada pelo carisma originário,mediação do Evangelho aos membros de um determinado instituto.” (VFC 36).

É importante saber que as Novas Comunidades podem também contribuir com os seus membros a compreenderem melhor um caminho mais simples para que a possibilidade de produzir frutos em nossas vidas,é preciso fortalecer em nossas vidas,a experiência de um trabalho a serviço da evangelização,como dizia o salmista:“A terra deu o seu fruto,abençoou-nos o Senhor nosso Deus.” (Sl 66,7).As Novas Comunidades são chamadas também para produzir seus frutos com todos os seus membros,mas também é preciso fortalecer que a comunidade valoriza sempre com o trabalho de se produzir frutos dentro da Igreja,ou seja, é preciso valorizar o quanto que essa é uma forma de trazer em conta,os nossos deveres mas não é apenas uma obrigação, e sim é um favor que devemos cumprir por toda a geração,nós sabemos que a comunidade é feita para servir ao amor de Deus,essa é a condição de todos nós que devemos seguir esse trajeto de amor e esperança, é o que nos incentiva o Documento de Aparecida:

“Seu testemunho se mantém vigente e seus ensinamentos inspiram o ser e ação das comunidades cristãs do Continente.Entre eles,Pedro o apóstolo,a quem Jesus confiou a missão de confirmar a fé de seus irmãos (cf. Lc 22,31-32),os ajuda a estreitar o vínculo de comunhão com o Papa,seu sucessor,e a buscar em Jesus as palavras de vida eterna.” (DAp. 273).

“Nossos povos nutrem carinho especial e especial devoção por José,esposo de Maria,homem justo e fiel e generoso que sabe perder-se para achar no mistério do Filho.São José, o silencioso mestre,fascina atrai e ensina,não com palavras mas com o resplandescente testemunho de suas virtudes e de sua firme simplicidade.” (Idem. 274).

Devemos porém assumir o nosso compromisso como discípulos missionários de Jesus,viver a nova forma de vida comunitária sabemos que nós todos devemos levar em prática o caminho de santidade a todo instante mas é preciso saber que a comunidade necessita de uma forma de contribuir com a formação de seus membros,privilegiando para eles uma fé madura e viva,pois todos nós vivemos uma nova forma de trabalhar com o favorecimento de um serviço a uma comunidade cristã que procede em todo o mundo o serviço da evangelização.“Vós lançareis os vossos ramos e trareis o vosso fruto para o meu povo de Israel,porque sua volta está próxima.”(Ez 36,8).É nesse sentido,que os nossos olhos poderão abrir-se para um novo olhar um novo caminho a seguir nesse momento temos que continuar produzindo frutos e colhê-los para que a história da salvação continue sendo para todos nós o verdadeiro ensinamento de uma fé amadurecida em nossa vida,experimentando esse dom que temos nos dias de hoje,para isso é o que nos diz o nosso Senhor:

“Farei abundar os frutos das árvores e a colheita dos campos, afim de que não tenhais mais de sofrer entre as nações a vergonha da forme.Então lembrando-vos de vosso perverso proceder e de vossas ignóbeis  ações,vos desgostareis de vós mesmos,por causa das vossas iniquidades e de vossas abominações.”(Ez 36,30-31).

Portanto,a Palavra de Deus,busca orientações para que possamos então colher os frutos de nossas vidas,e é preciso também fortalecer na vida da comunidade esse exemplo de darmos conta de colher os nossos frutos de nossas vidas experimentando-as de acordo com que somos chamados por Deus a sermos os ramos,com essa virtude todos nós trabalhamos para darmos um novo passo definitivo de uma resposta que vamos dar a uma nova vida,caminhando nos passos de Deus para que a necessidade de colhermos os bons frutos é preciso também fortalecer o que é preciso colocar em condições um exemplo de vida comunitária.

” Radicados e vivificados pela videira,os ramos são chamados a dar fruto: “Eu sou a videira e vós os ramos.Quem permanece em mim e eu nele dá muito fruto” (Jo 15,5).Dar fruto é uma exigência essencial da vida cristã e eclesial.Quem não dá fruto não permanece na comunhão: “Toda vide que em mim não dá fruto ( o meu Pai corta-a” (Jo 15,2).”(ChL 32).

A explicação da Exortação Apostólica Christifideles Laici de João Paulo II,afirma com toda a clareza a respeito da videira e dos ramos a serem chamados a dar fruto,assim como foi feita a narrativa do texto bíblico do Evangelista São João no capítulo 15,onde Jesus diz que ele é a videira e o Pai é o agricultor (cf. Jo 15,1-5),nesse texto Jesus afirma que aquele que permanece nele vai cada vez mais produzir os seus frutos de acordo com a promessa de Deus feita por Jesus aos seus discípulos,portanto é necessário produzir os frutos e colhê-las com muito cuidado para que o fruto possa crescer cuidadosamente dando mais frutos para crescer fortalecido.É assim que vemos o quanto que é importante para nós darmos um sentido de uma vida concreta na Igreja,produzir os frutos a cada instante de nossas vidas,é preciso evangelizar,dar mais frutos em nossas vidas tendo em conta que a missão da Igreja é produzir os frutos para que toda a comunidade esteja sendo uma comunidade discípula e missionária.

Que Deus nos coloque em prática e nos ensine toda essa nova forma de produzir frutos para que possamos então levar em conta o caminho de levarmos todo nosso trabalho a serviço da evangelização claro que todos nós precisamos nos amadurecer na fé cristã e renovando sempre o nosso compromisso da Igreja,é assim que precisamos trazer na nossa vida os frutos de estarmos nas Novas Comunidades.Deus abençoe a todos.

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Para sempre seja louvado!

Joseph Charles D´Almada Batista

Comunidade Fraternidade Pequena Via

Novas Comunidades explicada na Exortação Apostólica Verbum Domini

“O Sínodo reconhece,com gratidão,que os movimentos eclesiais e as novas comunidades constituem,na Igreja,uma grande força para a evangelização neste tempo,impelindo a desenvolver novas formas de anúncio do Evangelho.”(VD  94).

Fico surpreso quando eu estava no site dedicado aos Movimentos Eclesiais e as Novas Comunidades, quando a Exortação Apostólica Verbum Domini do Papa Bento XVI,pude entender que a Palavra de Deus dedica seus ensinamentos a uma vida comunitária quando estamos fortalecidos de que ao entendermos que o Sínodo dos Bispos reconhece as Novas Comunidades e os Movimentos Eclesiais como  nos incentiva no caminho mais próximo do amor que estamos vivendo anunciando a Boa Nova do Evangelho de Cristo,essa experiência em que todos nós vivemos.“A mão do Senhor estava com eles e grande foi o número dos que receberam a fé e se converteram ao Senhor.” (At 11,21).O nosso convívio dentro da comunidade,como todos nós vivemos uma experiência de ouvir a Palavra de Deus,sempre torna-se um grande sentido para uma vida contribuída no coração dos leigos,ou seja,”A comunhão eclesial,já presente e operante na ação do indivíduo,encontra uma expressão específica no operar associado dos fiéis  leigos,isto é,na ação solidária que eles desenvolvem ao participar responsavelmente da vida e da missão da Igreja.”(cf.Christifideles Laici 29).

As Novas Comunidades também tem o seu apelo para compreender melhor sobre o verdadeiro caminho de fé e de esperança,experimentando o amor e o conceito de uma vida comunitária e aproximarmos profundamente de um tempo novo,de uma nova forma de evangelizar os leigos e leigas,o nosso objetivo é trazer no coração das pessoas,experimentando o favorecimento de uma vida renovada a nossa vida consagrada.“Santifica-os pela verdade.A tua palavra é a verdade.Como tu me enviaste ao mundo, também eu os enviei ao mundo.” (Jo 17,17-18).Com as palavras de Jesus na sua oração sacerdotal,ele pede “que todos sejam um para que o mundo creia”.(cf.v.21),no envio missionário dos seus discípulos anunciarem a Palavra de Deus pelo mundo inteiro entretanto,o Evangelho (cf.Mc 16,15).As novas comunidades têm demonstrado o verdadeiro caminho de uma fé renovada em nossos corações,semeando dons e colhendo bons frutos.João Paulo II dizia na sua Exortação Vita Consecrata: “A sua virtude deve ser ponderada pela autoridade da Igreja, a quem compete proceder aos devidos exames,quer pra comprovar a autenticidade da sua finalidade inspiradora,quer para evitar a excessiva multiplicação de instituições análoga entre si,com o conseqüente risco de uma nociva fragmentação em grupos demasiadamente pequenos.”( VC 12).

As Novas Comunidades e Movimentos se destacam pelo forte impulso missionário , fato destacado pelos senhores bispos, conforme a Exortação Apostólica Pós-Sinodal Verbum Domini , do Santo Padre Bento XVI: “O Sínodo reconhece, com gratidão, que os movimentos eclesiais e as novas comunidades constituem, na Igreja, uma grande força para a evangelização neste tempo, impelindo a desenvolver novas formas de anúncio do Evangelho” (n. 94).Também na Arquidiocese de São Paulo tais realidades eclesiais contribuem de modo significativo para a ação evangelizadora , o que pode ser constatado através do amplo painel oferecido no presente site, demonstração da multiforme ação do Espírito Santo, que não cessa de derramar seus dons e carismas na Igreja.
É preciso notar que as Comunidades constantes encontram-se em diferentes estágios de desenvolvimento. Algumas delas são relativamente recentes e por tal razão ainda não chegaram a um desenvolvimento e maturação que permitam seu reconhecimento oficial da parte da Igreja, isto é, não foram ainda aprovadas canonicamente pelo Arcebispo local para assim se tornarem de direito diocesano. Outras já têm esta aprovação e outras mais desenvolvidas e maduras já receberam mesmo a aprovação internacional de Roma, tornando-se assim de direito pontifício. Mas todas elas são objeto da estima da Igreja e estimuladas a desenvolver-se e amadurecer mais e mais, vivendo desde já o seu carisma e pondo-se a serviço da missão e da evangelização, sob a orientação dos pastores locais (bispo e párocos).

Deus abençoe a todos!

Joseph Charles D´Almada Batista

Comunidade Fraternidade Pequena Via

A graça dos Carismas

“O carisma autêntico trará sempre uma dose genuína de novidade na vida espiritual da Igreja,com operosidade peculiar e reveladora de fidelidade ao Senhor e de docilidade ao Espírito Santo.Essa autenticidade e essa eclesialidade se verificam à medida que a vivência do carisma se torna força e fecundidade para a ação evangelizadora na Igreja particular em que o movimento eclesial e a nova comunidade se inserem.” (Subsídio Doutrinal 3 da CNBB,nº 60).

Quando falamos a respeito dos Carismas nas Novas Comunidades,é necessário que todos nós tenhamos um dom que vem do Espírito Santo sobre cada um de nós,por exemplo é uma nova forma que a Igreja deseja para que os leigos e leigas,estejam engajados nessa missão importante que somos chamados a vivenciar a graça do carisma na comunidade.No livro “Comunidade,Lugar do perdão e da Festa” de Jean Vanier nos afirma: “Cada nova comunidade é suscitada por Deus,o qual inspira um homem ou uma mulher,ou mesmo um grupo de pessoas,a dar resposta a um grito ou a uma necessidade específica da humanidade,em um momento particular da história.” (cf.”Comunidade,Lugar do perdão e da Festa”,pg.110).

Uma nova forma que a Comunidade nova sempre trata da questão dos carismas que vem do Espírito Santo,São Paulo na Primeira Carta aos Coríntios nos fala a respeito da diversidades e dons dos carismas vividos nas Comunidades Novas (cf.1Cor 12,4-11),é uma referência que as Comunidades novas sempre aborda a respeito da chamada Teologia dos Carismas,é necessário que as Novas Comunidades,façam com que esse ardor da Igreja,eu sempre  tenho uma grande vontade de compreender melhor as atividades feitas pelas Novas Comunidades,no entanto a graça dos carismas é preparada para que os leigos e leigas se façam presentes no coração de cada pessoa,o seu chamado para uma nova forma de vida consagrada é o que nos incentiva o saudoso Papa João Paulo II na Exortação Apostólica Vita Consecrata que nos fala da originalidade das Novas Comunidades (cf.VC 62). O objetivo das Novas Comunidades, tem uma série de formações sobre a respeito dos carismas,entretanto,a formação da consciência moral dentro das Novas Comunidades.“As comunidades devem ser realmente fraternas,de tal forma que a igual dignidade de todos os fiéis seja evidenciada e seja estimulada a participação ativa de todos.” (Doc.CNBB 62,116).Portanto,as Novas Comunidades deverão ser fraternas,vivendo totalmente a comunhão eclesial viver uma comunhão fraterna dentro da Igreja.Experimentando o dom dos carismas e as diversidades de um exemplo de uma nova forma de contemplar o verdadeiro caminho da evangelização nas Novas Comunidade.Deus seja louvado! Assim seja.

Joseph Charles D´Almada Batista

Comunidade Fraternidade Pequena Via