Mensagem em ocasião pelo Dia da Vida Consagrada

MENSAGEM EM OCASIÃO AO DIA DA VIDA CONSAGRADA E TAMBÉM DO ENCERRAMENTO DO ANO DA VIDA CONSAGRADA 2016

Novas Comunidades: um desafio para a Nova Evangelização

Queridos irmãos e irmãs,estamos em pleno Ano da Misericórdia convocado pelo Papa Francisco,trabalharmos em termos para a evangelização,estamos terminando o Ano da Vida Consagrada e agradecemos a Deus pela missão que nos deu para sermos enviados para anunciar o Evangelho a todas as pessoas (cf.Mc 16,15).A Igreja ela nasce da  ação evangelizadora é preciso trabalhar com urgência na ação evangelizadora da Igreja (cf.DGAE 2015-2019 nn.30-33).Entretanto,a evangelização é um desafio que temos é assumir o compromisso de nos tornarmos novos evangelizadores para a nova evangelização.

O Papa Francisco na Evangelii Gaudium,nos proporciona um desafio que precisamos ser Igreja “em saída”,e ele nos chama a nossa atenção nesse aspecto: “Frisamos que a evangelização está essencialmente relacionada com a proclamação do Evangelho aqueles que não conhecem Jesus Cristo ou que sempre o recusaram.Muitos deles biscam secretamente a Deus,movidos pela nostalgia do seu rosto,mesmo em países de antiga tradição cristã.Todos têm o direito de rceber o Evangelho.” (EG 14).

 Entramos agora no Ano da Misericórdia,tivemos a graça de celebrarmos esse Ano Jubilar,devido o nosso conceito de estarmos em comunhão com a Divina Misericórdia,o Papa Francisco na Misericordiae Vultus,o Santo Padre afirma: “A Igreja tem a missão de anunciar a misericórdia de Deus,coração pulsante do Evangelho,que por meio del deve chegar ao coração e à mente de cada pessoa.A Esposa de Cristo assume o comportamento do Filho de Deus,que vai ao encontro de todos sem excluir ninguém.No nosso tempo,em que a Igreja está comprometida na nova evangelização,o tema da misericórdia exige ser reproposto com novo entusiasmo e uma ação pastoral renovada.”(MV 12).

A Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica,na sua Carta Circular “Perscrutai”:diz o seguinte em relação a nós que somos consagrados a Deus afirmando que “Os consagrados viveram e interpretaram estes novos horizontes.Anunciaram e testemunharam in primis o Evangelho com a vida,oferecendo ajuda e solidariedade de todo o tipo,colaborando nas tarefas mais diversas no sinal da proximidade cristã,envolvidos no processo histórico.Longe de lamentar-se a memória de épocas passadas,buscaram vivificar o tecido social e as suas instâncias com a vivente e traditio  eclesial,testada nos séculos na divisão da história,segundo o habitus da fé e da esperança cristã”.(Perscrutai n.5).

1.Novas Comunidades em desafio a uma nova evangelização.

A cada um de nós,precisamos entrar nesse desafio de fazer com que a nova evangelização,torna-se para nós o exemplo de vida missionária,sentir o ardor de evangelizar as pessoas ir diretamente ao encontro das pessoas que necessitam de nós para anunciar a Boa Nova do Evangelho de Nosso Senhor.”A missão da Igreja Católica é colocar à disposição do gênero humano as forças salvadoras que ela recebe de Cristo.Propõe salvar a pessoa humana integralmente e restaurar a sociedade humana no que se refere à sua finalidade mais autêntica: o desenvolvimento integral a partir do bem comum” (Texto-Base da Campanha da Fraternidade 2015,”Fraternidade Igreja e Sociedade”,n.148).

Ao definir como podemos desenvolver todo esse projeto de Deus transmite para nós o exemplo e os ensinamentos de nosso Senhor Jesus Cristo,quando somos chamados para irmos ao encontro dele,por isso,o Evangelho afirma com toda certeza onde no qual Jesus pede aos seus discípulos para se converterem e crer no Evangelho (cf.Lc 1,14-15).Esse é o melhor caminho que devemos seguir,encontrar um caminho de fé um caminho que nosso Senhor nos conduz a seguirmos os seus passos levando em nosso coração,todo o sentimento que temos por ele (cf.Fil 2,5).Esse é o sentido de uma vida primordial em nossas vidas,elevando sempre em nossa fé que a praticamos de acordo com que “A comunhão é praticada,antes de mais nada,dentro das respectivas comunidades do Instituto.A este respeito,convido-vos a reler frequentes intervenções minhas,nas quais não me canso de repetir que críticas,bisbilhotices,invejas,ciúmes,antagonismos são comportamentos que não têm direito de habitar nas nossas casas.”(cf.Papa Francisco,Carta Apostólica As Pessoas Consagradas 3).

2.Desafios das Comunidades no Documento de Aparecida.

O Documento de Aparecida trata para nós esse constante desafio que temos pela frente: “Aqui está o desafio fundamental que enfrentamos: mostrar a capacidade da Igreja para promover e formar discípulos e missionários que respondam à vocação recebida e comuniquem por parte,transbordando de gratidão e alegria,o dom do encontro com Jesus Cristo” (DAp 14).De acordo com o pede o Documento de Aparecida,precisamos ser desafiados para ir e evangelizar as pessoas,ir diretamente conforme disse anteriormente evangelizar as pessoas sair para ir ao encontro das pessoas que necessitam de nossa ajuda,precisamos queridos irmãos e irmãs,sair para o encontro pessoal com Jesus,ouvir  sua palavra,ouvir os seus ensinamentos por isso “A Igreja “em saída” é a comunidade dos discípulos missionários que “primeireiam”.”(EG 24).

E para concluir essa mensagem,digo a todos os membros das Novas Comunidades,sejam também Igreja “em saída”,sejam comunidades autênticas,sejam escolas de oração,sejam escolas de santidade,sejam também escolas do diálogo,é para isso que precisamos ouvir os ensinamentos de Jesus no qual ele ordena: “Vamos a outros lugares,nas aldeias da redondeza,a fim que lá também,eu proclame a Boa Nova.Pois para isso que eu saí”.(Mc 1,38).Amados irmãos e irmãs,ao celebrarmos o Dia da Vida Consagrada,no dia 02 de fevereiro de 2016,e também estamos encerrando o Ano da Vida Consagrada,precisamos nos consagrar a Deus,elevando sempre em nossos corações,levar a Palavra de Deus para um desafio maior,de sermos comunidades novas,reestabelecendo o nosso caminho de evangelizar as pessoas,conforme todos nós acrescentamos em nossa vida,para que cada um de nós tenhamos renovado em nós todas as coisas.”Eis que faço nova todas as coisas” (Ap 21,5).Deus seja louvado!

JOSEPH CHARLES D´ALMADA BATISTA

Diretor de Comunicação

Fraternidade Pequena Via,Comunidade de Aliança

02 de Fevereiro de 2016

Festa da Apresentação do Senhor.Encerramento do Ano da Vida Consagrada.

Mensagem em ocasião pelas Vocações da Vida Consagrada

MENSAGEM EM OCASIÃO DA CELEBRÇÃO DA VOCAÇÃO À VIDA CONSAGRADA

“Tende em vós o mesmo sentimento de Cristo Jesus” (Fil 2,5).

Queridos irmãos e irmãs,caríssimas Religiosas,Consagrados e consagradas leigos e leigas dos Movimentos Eclesiais e das Novas Comunidades.

Estamos celebrando no mês de agosto,o mês das Vocações,antecipando essa mensagem que escrevo para todos,quero de antemão,explica para todos o tema dessa mensagem.O tema que está inspirado na Carta de São Paulo aos Filipenses 2,5,São Paulo,demonstra que devemos ter o mesmo sentimento de Cristo Jesus,nosso Senhor,em primeiro lugar,estamos celebrando o Ano da Vida Consagrada,a partir desse contexto,o Santo Padre o Papa Francisco,na sua Carta Apostólica para o Ano da Vida Consagrada,nos dirige as suas palavras ressaltando o papel da vida religiosa,nas suas atuações na Igreja: “A comunhão e o encontro entre diferentes carismas e vocações é um caminho de esperança.Ninguém constrói o futuro isolando-se,nem contando apenas com as próprias forças,mas reconhecendo-se na verdade de uma comunhão que sempre se abre ao encontro,ao diálogo, à escuta,à ajuda mútua,e nos preserva da doença da autoreferencialidade.”[1]

1.Ser´Discípulo e Missionário

O Documento de Aparecida,transmite para nós,o contexto de sermos alegres de sermos discípulos e missionários de nosso Senhor Jesus Cristo para que o encontro com o Senhor Jesus,seja um encontro mais do que pessoal, é um encontro de todos, é um chamado que nosso Senhor,promove o coração daquele que transmite o seu valor de uma renovação na Igreja,a Igreja que queremos ser, é seguir os passos de Jesus,caminhando na fé e na sua resposta ao chamado de Deus para a sua vida consagrada,diz o Documento de Aparecida que “Neste encontro com Cristo,queremos expressar a alegria de sermos discípulos do Senhor e de termos sido enviados com o tesouro do Evangelho.Ser cristão não é uma carga,mas um dom: Deus Pai nos abençoou em Jesus Cristo seu Filho,Salvador do mundo.”[2].O principal caminho é que todos nós tenhamos a nossa missão de anunciar a Boa-Nova de Jesus para quem deseja ser enviado para a missão através do Mandato Missionário de Jesus: “Ide,portanto,e fazei que todas as nações se tornem discípulos,batizando-as em nome do Pai,do Filho e do Espírito Santo,e ensinando-as a observar tudo quanto vos ordenei.E eis que eu estou convosco todos os dias, até a consumação dos séculos!’ [3].

2.Igreja “em saída”

Queridos irmãos e irmãs,na continuação dessa mensagem,citando aqui as Palavras do Papa Francisco,hoje podemos nos alegrar a contribuir com o nosso anseio,de sermos uma Igreja “em saída”,como podemos perceber,o que nos pede o Santo Padre é que saiamos para ir ao encontro dos pobres dos mais humildes,sejamos para eles “casa aberta ao Pai” [4],sejamos para eles os novos evangelizadores da nova evangelização,ser Igreja em saída significa que devemos sair das nossas próprias comodidades,sairmos da nossa zona de conforto,para ir ao encontro com as pessoas que necessitam da nossa ajuda,evangelizar os pobres,especialmente as famílias,hoje temos a graça de compreender que ser Igreja é um ato de fé e de esperança para quem deseja então,tornar mais ampla a sua missão.Diz as Diretrizes Gerais da CNBB (2015-2019),que afirma que “Ser verdadeiro discípulo missionário exige o vínculo efetivo  e afetivo com a comunidade dos que descobriram fascínio pelo mesmo Senhor.Ele sabe que exerce sua missão na Igreja “em saída”.” (CNBB,Doc.102,n.13).

3.A Igreja que queremos ser

O que podemos observar que ao sermos membros da Igreja,é dar continuidade da Missão que Jesus nos deixou para dar esse ardor de sermos enviados para a missão de evangelizar,o Beato Paulo VI,na Exortação Apostólica Evangelii Nuntiandi,diz que “A Igreja nasce da ação evangelizadora” [5],portanto,precisamos sentir o nosso chamado de servir a Igreja e também servir a Nosso Senhor Jesus Cristo de acordo com o que pede o Magistério da Igreja,levando em conta o nosso compromisso evangelizador,levando o nosso compromisso de discípulos e missionários conforme nos ensina a Evangelii Gaudium (cf.n.259).

4.A Alegria de evangelizar

Como é bom estarmos alegres em sermos chamados para evangelizar,com maior ardor em estarmos em comunidade servir a Deus,servir a Igreja,é uma responsabilidade de cada discípulo de Nosso Senhor Jesus Cristo levando em nossos corações o nosso chamado o serviço da Igreja é estarmos em estado de missão permanente em nossas comunidades fazendo o bem para quem precisa,por isso,o Papa Bento XVI,nosso querido Papa Emérito diz o seguinte: “A Igreja não começa com o nosso “fazer”,mas com o “fazer” e o “falar” de Deus.Assim,os Apóstolos não disseram depois de algumas assembléias:agora queremos criar uma Igreja,e com a forma de uma constituinte elaboraram uma constituição.” [6].

Portanto queridos irmãos e irmãs,ao celebrarmos os 50 anos do Concílio Vaticano II,Demos graças e louvores a Deus,por essa certeza de que a nossa fé triunfe mais em nosso cotidiano da nossa missão,levando em nosso objetivo o caminho mais profundo da nossa espiritualidade,levando em nossos corações,o sentido da vida e o sentido de uma nova forma de evangelizar,um objetivo geral de nossa missão é evangelizar é levar o anúncio da Boa-Nova do Evangelho para quem precisa ser evangelizado,motivando-nos o que precisamos ser,a Igreja que queremos ser.Peçamos ao Senhor,que no envie como seus discípulos e missionários,levando a caminho de uma nova evangelização,contando que a presença de servir ao Senhor,é estar também servindo a Igreja,por isso,peçamos a Ele que nos guie e sigamos em frente com a nossa missão.Deus os abençoe!

Joseph Charles D´Almada Batista

Comunidade Católica Fraternidade Pequena Via,Comunidade de Aliança,Missão de Campos dos Goytacazes,RJ e estudante do 1º ano de Teologia da Escola Eclesiástica de Estudos bíblicos e teológicos Mater Ecclesiae Diocese de Campos,RJ,08 de Agosto de 2015,festa de São Domingos.

[1] PAPA FRANCISCO,Carta Apostólica em ocasião ao Ano da Vida Consagrada,n.3.

[2] Cf.DAp,n.28

[3] Cf.Mt 28,19-20.

[4] FRANCISCO Exortação Ap.Evangelii Gaudium,n.47

[5] PAULO VI,Exortação Ap. Evangelii Nuntiandi,n,14.

[6] BENTO XVI,Meditação durante a Oração da Hora Tércia na Inauguração dos Trabalhos do Sínodo ds Bispos,08 de Outubro de 2012.

Mensagem ao dia da Vocação à Vida Consagrada 2013

  MENSAGEM DEDICADA A VOCAÇÃO À VIDA CONSAGRADA 2013

 Vocação,Um desafio de Amor-“Eu farei de vós,pescadores de homens” (Mt 4,19)

 Caríssimos irmãos e irmãs,

queridos religiosos e religiosas,membros dos Movimentos Eclesiais e Novas Comunidades,queridos leigos e leigas

 Estamos celebrando nesse ano de 2013,a vocação à Vida Consagrada com o tema Vocação,um desafio de Amor-“Eu farei de vós,pescadores de homens” (cf.Mt 4,19).Ao refletir sobre esse tema dedicado a Vocação à Vida Consagrada,é necessário que todos nós somos chamados a vocação.A vocação à Vida Consagrada é dedicada na festa da Solenidade da Assunção de Nossa Senhora.Como podemos ver,Maria é a estrela da nova evangelização,transmitindo a fé cristã a todo o povo de Deus.O Bem-Aventurado João Paulo II,na sua Exortação Apostólica Christifideles Laici,nos faz o convite importante para todos nós dizendo que “A responsabilidade em professar a fé católica,acolhendo e proclamando a verdade sobre Cristo,sobre a Igreja e sobre o home,em obediência ao magistério da Igreja,que autenticamente a interpreta”.(ChL 30).

Eis aqui alguns elementos para a nossa vocação:

1-Vocação

A vocação é um chamado de Deus para que a missão na qual Jesus nos envia para a missão é fundamental que a ação missionária seja de fato,como nos ensina o Documento de Aparecida que nos chama a um convite importante na qual “A vocação ao discipulado missionário é con-vocação à comunhão em sua Igreja.Não há discipulado sem comunhão”. (cf.DAp 156).O caminho de se tornar em comunhão de seguir a Cristo,basta renunciar tudo aquilo o que o mundo oferece na terra,mas é preciso renunciar-se a si mesmo tomar a sua cruz e seguir a Jesus Cristo nosso Senhor (cf.Mc 8,34).Pois a vocação nos leva a um caminho de viver a santidade,levando com amor o desafio de levar sempre em nossas vidas trazendo sempre o caminho de levar a evangelização na nossa Igreja

2-Desafios pastorais

O Papa Francisco,nos encoraja a  caminhar a transformar a nossa fé,e durante o seu discurso aos jovens na festa da acolhida aos jovens,na preparação da Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro,onde ele nos diz: “Bote fé,bote esperança,bote amor!” (Papa Francisco,Saudação aos jovens na festa de acolhida durante a Jornada Mundial da Juventude,o texto desse discurso está no blog Nova Evangelização).Continuando,os desafios pastorais são a nossa autêntica forma de levarmos o anúncio do Evangelho de nosso Senhor Jesus Cristo a todas as nações,e todas as pessoas que necessitam serem chamados a viver esse encontro com o Senhor (cf.Mt 28,19;Mc 16,15).O nosso desafio é transformar uma vida cristã renovando sempre em nossas vidas.

3-Vida Consagrada  

Outro elemento a ser tratado nessa mensagem é a Vida Consagrada é a originalidade dos Movimentos e das Novas Comunidades,de acordo com as palavras do Papa emérito Bento XVI,ele nos escreve que os Movimentos e as Novas Comunidades “são como irrupções do Espírito Santo na Igreja e na sociedade contemporânea”.(Bento XVI,Discurso aos membros da Renovação Carismática Católica,31 de Outubro de 2008).O desafio da Vida Consagrada,traz em si,o caminho de sermos chamados a viver a vocação ao serviço da Igreja,trabalhando com fidelidade ao amor a Jesus Cristo nosso Senhor.

Que a nossa caminhada na fé em Jesus Cristo,sempre temos a graça de caminhar na fé renovando em nossos corações,uma força e renovar a simples comunhão com Deus,levando sempre ao caminho de uma fé renova sempre em nossa vocação,tanto que é completo a nossa plenitude ao plano de salvação na nossa fé,e portanto dizia o Apóstolo São Paulo: “porque gratuitamente  fostes salvos pela fé” (cf.Ef 2,8a).E pela fé é que somos salvos a todo instante e lembrando também a Carta aos Hebreus que nos envia a sua mensagem pastoral onde nós “Não somos de perder o ânimo e sim o somos de manter a fé” (cf.Hb 10,39s).Que Maria Santíssima,na qual festejamos a sua solenidade da Assunção de Nossa Senhora,possamos elevar a nossa devoção mariana,ao que cada um de nós estejamos sempre atento a fé e sermos firme a Cristo Jesus.Que Deus os abençoe nessa caminhada da missão que possamos ser chamados a viver a experiência de fé e de honestidade.Assim seja Amém!

Joseph Charles D´Almada Batista

Fraternidade Pequena Via-Comunidade de Aliança,Diocese de Campos dos Goytacazes,RJ

Festa da Solenidade da Assunção de Nossa Senhora,15 de agosto de 2013.                                                                                                                                                                           

Mensagem para o dia da Vida Consagrada

            MENSAGEM AOS MEMBROS DAS NOVAS COMUNIDADES,FIÉIS LEIGOS E RELIGIOSOS E RELIGIOSAS PARA O DIA DA VIDA CONSAGRADA

Novas Comunidades: Uma Escola de Santidade «Tu me consagrarás todo primogênito,tanto homem ele será meu» (Êx 13,2)

Queridos irmãos e irmãs membros das Comunidades Novas,Movimentos Eclesiais,religiosos e religiosas,leigos e leigas,estamos celebrando no dia 02 de fevereiro de 2013,o Dia da Vida Consagrada,estou abordando esse tema “Novas Comunidades: Uma Escola de Santidade” para darmos um passo para a nossa santidade.O Catecismo da Igreja Católica afirma que“Os leigos,em virtude de sua consagração a Cristo e da unção do Espírito Santo,recebem a vocação admirável e os meios que permitem ao Espírito produzir neles frutos sempre mais abundantes.Assim,todas as suas obras,preces,e iniciativas apostólicas,vida conjugal e familiar,trabalho cotidiano,descanso do corpo e da alma,se praticados no Espírito,e mesmo as provações da vida,pacientemente suportadas,se tornam ‘hóstias espirituais,agradáveis a Deus por Jesus Cristo’ (1Pd 2,5),hóstias que são piedosamente oferecidas ao Pai com a oblação do Senhor na celebração da Eucaristia.”(cf.CIC 901).

O Papa Bento XVI,na Exortação Apostólica Verbum Domini,afirma com clareza: “A vida consagrada resplandece,em toda a história da Igreja,pela sua capacidade de assumir explicitamente o dever do anúncio e da pregação da Palavra de Deus na missio ad gentes e nas situações mais difíceis,mostrando-se disponível também para as novas condições de evangelização,empreendendo com coragem e audácia novos percursos e novos desafios para o anúncio eficaz da Palavra de Deus.”(VD 94).

A Igreja é triunfante portanto recordo-lhes a todos nesse momento,a Vida Consagrada é um exemplo de santidade na comunidade cristã,pois a cada momento,estamos nos preparando para um encontro pessoal com Cristo Jesus.João Paulo II dizia em sua mensagem  na Vigília de Pentecostes em Maio de 1998: “Os movimentos e as novas comunidades eclesiais: eles são a resposta suscitada pelo Espírito Santo,a este dramático desafio do final deste milênio.Vós sois esta resposta providencial.” Assim caríssimos irmãos e irmãs, «As primeiras comunidades cristãs sentiram que a sua fé não pertencia a um costume cultural particular,que diz respeito igualmente a todos os homens.»(VD 92).O caminho de santidade nas Novas Comunidades,estão nesse ponto o caminho de fé e de espiritualidade no coração dos leigos a força vivida no Espírito Santo.

1-Novas Comunidades

As Novas Comunidades atuam profundamente no coração o verdadeiro caminho de uma fé renovada em sermos chamados a viver a santidade em todo instante no serviço da Igreja Católica,a alegria de servir ao Senhor,esse é o verdadeiro caminho de uma fé renovada.“A busca sincera por Jesus Cristo faz surgir a correspondente busca por diversas formas de vida comunitária.Articulada entre si,na partilha da fé e na missão,estas comunidades se unem,dando lugar a verdadeira redes de comunidades.Entre elas,encontram-se as Comunidades Eclesiais de Base e outras formas de novas comunidade,cada uma vivendo seu carisma,assumindo a missão evangelizadora de acordo com a realidade local e se articulando de modo a testemunhar a comunhão na pluralidade.” (Doc.CNBB 94,58).

2-Vida Consagrada

A Vida Consagrada,segundo o Beato João Paulo II,na sua Exortação Apostólica Vita Consecrata afirma com clareza:“A Vida Consagrada está ao serviço desta irradiação definitiva da glória divina,quando toda criatura vir a salvação de Deus (cf.Lc 3,6; Is 40,5).O Oriente cristão sublinha esta dimensão,ao considerar os monges como anjos de Deus,contida na Palavra revelada: a história dos homens caminha para o novo céu e a nova terra (cf.Ap 21,1),onde o Senhor “enxugará as lágrimas dos seus olhos não haverá mais morte,nem pranto,nem gritos,nem dor porque as primeiras coisas passaram” (Ap 21,4).” (cf.VC 27).O caminho é importante de total em que todos nós somos chamados a viver a Vida Consagrada em um chamado a Santidade,é necessário que todos nós «Eis uma verdade absolutamente certa e merecedora de fé;Jesus Cristo veio a este mundo para salvar os pecadores,dos quais sou eu o primeiro»(cf.1 Tm 1,15).

3- Comunidades: Uma Escola de Santidade

«Sede santos,porque eu,o Senhor vosso Deus,sou santo» (Lv 19,2)

Com essa passagem do Livro de Levítico logo no AT (Antigo Testamento),à santidade nos leva a experimentar o quanto que o chamado de Deus se prepara no coração dos leigos à amar mais a sua Igreja,pois é lá que a chamada “Escola de Santidade” se forma nas Novas Comunidades,no entanto os membros das Novas Comunidades, alcançam a sua formação exemplar quando “deveriam criar uma afeição especial aos Grupo de Oração Carismáticos,pois eles são o melhor terreno que elas têm para difundir,aprofundar e amadurecer a vida cristã em renovação dos fiéis.Se essas Comunidades foram criadas pelo Espírito Santo para garantir na Igreja a continuidade da teologia,da espiritualidade e das devoções ao Espírito,elas devem ter um interesse especial pelos grupos,pois eles são a presença real dos frutos da Renovação Carismática.” (cf.Pe.Alírio José Pedrini,SCJ,texto extraído do livro “A Resposta vinda do Alto Novas Comunidades Carismáticas,Editora Canção Nova,São Paulo 2012,p.37).

O sentido da vida,nas Novas Comunidades,são exemplo de santidade esse é o caminho de santidade o quanto que experimentamos no coração da Igreja precisamos levar,a Vida Consagrada também é uma das alternativas para a santidade na Igreja,caríssimos irmãos,a santidade nos chama para uma renovação espiritual de nossas vidas demonstrando que à Santidade ela é o esforço de uma vida simples,através de exemplos que muitos de nós temos a graça de viver os nossos carismas mas é preciso elevar no coração que nós que somos leigos temos um chamado a Santidade,esse é o caminho de fé e atualidade,o Papa Bento XVI, na Carta Apostólica Porta Fidei ele diz a todos nós:«A alegria do amor,a resposta  ao drama da tribulação e do sofrimento,a força do perdão diante da ofensa recebia e a vitória da vida sobre o vazio da morte,tudo isso encontra plena realização no mistério de sua Encarnação,do seu fazer-se homem,do partilhar conosco a fragilidade humana para transformar com a força da sua ressurreição»(Bento XVI,Porta Fidei 13).

Que Deus nosso Senhor,venha trazer para cada um de nós os seus ensinamentos em sua Escola de Santidade,o caminho de que a comunidade é de fato um lugar do perdão e da festa,somos chamados a vivenciar o dom de Deus e experimentar totalmente o carisma vivido nas Novas Comunidades e nos Movimentos Eclesiais,pois essa é a contribuição de um caminho que todos nós vamos viver uma nova evangelização para a transmissão da fé cristã,em preparação de uma nova forma de sermos evangelizados,Deus abençoe a todos e saibam que somos chamados a viver a santidade na Igreja Católica Apostólica Romana.Assim seja,Amém!

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Para sempre seja louvado!

Joseph Charles D´Almada Batista

Comunidade Fraternidade Pequena Via-Comunidade de Aliança

Campos dos Goytacazes,02 de fevereiro de 2013,Festa da Apresentação do Senhor,Dia da Vida Consagrada.

Criada no Vaticano Escola Interdisciplinar sobre a Vida Consagrada

“Escola Interdisciplinar para a formação ao Magistério Eclesial e à Normativa canônica sobre a Vida consagrada na Igreja” é o nome da nova estrutura que nasce na Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica.

O novo “Studium” substituirá a Escola Prática que existe há 60 anos para dar um renovado percurso interdisciplinar formativo dirigido a pessoas consagradas e leigos. Será estudada uma visão identitária integrada-eclesial da vocação à vida consagrada. A metodologia interdisciplinar aplicada para a escola é a pesquisa e a reflexão da Traditio da Igreja em diálogo com a cultura contemporânea.

O primeiro encontro da nova Escola será nesta quarta-feira, 24, próximo com o discurso introdutório do prefeito da Congregação, o Cardeal brasileiro João Braz de Aviz.

A Escola deverá conferir Diploma de “Perito em Magistério Eclesial e Normativa canônica da Vida Consagrada”. Para conseguir o diploma, além de prestar provas das disciplinas da seção interdisciplinar e da frequência nos seminários da seção prática, os inscritos deverão elaborar uma tese em matéria didática ou prática.

O programa de estudos 2012 / 2013 inicia com a renovação da reflexão sobre a identidade da vida consagrada a 50 anos do Concílio e no contexto das culturas contemporâneas em resposta ao apelo de Bento XVI, lançado durante a Jornada Mundial da vida consagrada de 2 de fevereiro de 2012, quando convidou os consagrados a “verificar e revitalizar” a sua presença e forma de apostolados dentro do povo de Deus.

A escola tem uma estrutura bienal, articulada em duas seções complementares: Interdisciplinar e Prática. As aulas acontecerão na Pontifícia Universidade Urbaniana de Roma em ritmos semanais, toda quarta-feira, das 15h15 às 18h30, enquanto a seção prática na primeira e na terceira terça-feira do mês. Para as inscrições se deve dirigir à Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica.

Pelo “desejo de todos os consagrados de “ouvir cum Petro, cum ecclesia”” o Estudo será dedicado ao Santo Padre Bento XVI. A concessão do título foi comunicada pelo Secretário de Estado, Cardeal Tarcísio Bertone, que formulou “votos de bem para uma sempre generosa e profícua atividade a serviço da missão da Vida Consagrada na Igreja e no mundo”, divulgou o comunicado da Congregação para os Institutos de Vida Consagrada e as Sociedades de Vida Apostólica.

“A dedicação a Bento XVI do Studium, se insere em um contexto de maior atenção ao ensinamento dos Papas e à abertura à universalidade da Igreja. Depois do Concílio surge a exigência de aprofundar cada vez mais, não somente os aspectos estritamente jurídicos, mas também temas teológicos que diziam respeito aos problemas da vida consagrada, à luz dos documentos pontifícios, conciliares e do dicastério”, explica o “L’Osservatore Romano” de hoje.

O projeto realizado pela Irmã Nicla Spezzati e Padre Sebastiano Paciolla, subsecretários do dicastério, coordenados pelo prefeito, o Cardeal João Braz de Aviz e pelo Secretário, o Arcebispo Joseph W. Tobin.

Vida Consagrada:Identidade e Missão

“A Vida Consagrada está ao serviço desta irradiação definitiva da glória divina,quando toda a criatura vir a salvação de Deus (cf.Lc 3,6; Is 40,5).O Oriente cristão sublinha esta dimensão,ao considerar os monges como anjos de Deus sobre a terra,que anunciam a renovação do mundo em Cristo.No Ocidente,o monaquismo é celebração feita de memória e vigília:memória das maravilhas realizadas por Deus,vigília do cumprimento definitivo da esperança”.(VC 27).

Amados irmãos e irmãs internautas,estamos celebrando nesse dia 02 de Fevereiro a Solenidade da Apresentação do Senhor,e também o Dia da Vida Consagrada.Essa semana,eu elaborei uma mensagem para esse dia,com o tema “Comunidade e Missão«Eles perseveravam na doutrina dos apóstolos»”(At 2,42).O momento de estarmos renovando o compromisso com a Comunidade de Vida ou de Aliança,nós somos chamados a dar um passo definitivo para que a evangelização produza em nós a Identidade,o Carisma e Missão.”Quer extraordinários quer simples e humildes,os carismas são graças do Espírito Santo que,direta ou indiretamente,têm uma utilidade eclesial,pois são ordenados à edificação da Igreja,ao bem dos homens e às necessidades do mundo.Os carismas devem ser acolhidos com reconhecimento por aquele que os recebe,mas também por todos os membros da Igreja,pois são uma maravilhosa riqueza de graça para a vitalidade apostólica e para a santidade de todo o Corpo de Cristo,contanto que se trate de dons que provenham verdadeiramente do Espírito Santo e que sejam exercidos de maneira plenamente conforme aos impulsos autênticos deste mesmo Espírito,isto é,segundo a caridade,verdadeira medida dos carismas”(CIC 799-800).

A partir daí,a Vida Consagrada é como uma busca renovada na Igreja,sendo que a Palavra de Deus surge em nosso meio um relato importante no verdadeiro carisma da Igreja,conforme nos ensina São Paulo que fala a respeito da diversidade entre dons e carismas vividos nas Novas Comunidades (cf.1Cor 12,4-11).A experiência que vamos viver é transformar uma vida nova para que sejamos transformados na fé e na esperança.“Eis que estou enviando o meu mensageiro para preparar o caminho à minha frente.E de repente chegará ao seu tempo o Senhor que vós estáveis procurando,o mensageiro da Aliança que estáveis desejando.Eis que ele chega-diz o Senhor dos exércitos.Quem poderá aguentar o dia de sua chegada? Quem ficará de pé quando ele aparecer?”.(cf.Mal 3,1-2).

O Carisma,a Identidade e Missão,tem a graça de proceder a nossa responsabilidade de levar em conta que“aos leigos e à vida consagrada a participarem de organismos ecumênicos com cuidadosa preparação e esmerado seguimento dos pastores,a realizarem ações conjuntas nos diversos campos da vida eclesial,pastoral e social.Na verdade,o contato ecumênico favorece a estima recíproca,convoca à escuta comum da palavra de Deus e chama à conversão aqueles que se declaram discípulos e missionários de Jesus Cristo.Esperamos que a promoção da unidade dos cristãos,assumida pelas Conferências Episcopais,se consolide e frutifique sob a luz do Espírito Santo”.(cf.DAp.232).

Imagine que somos chamados a experimentar esse caminho de fé e de esperança,no Batismo do Espírito Santo,sabendo que todos nós queremos afirmar esse diálogo da Vida Consagrada,promovendo o bem,promovendo a evangelizar os mais necessitados,por isso,basta ser consagrado a Deus para que sejamos adaptados a sermos evangelizados pela força do amor e da santidade,busquemos com toda essa expectativa na presença maior na vida de Deus,para isso sejamos consagrados,através das mãos do oleiro(cf.Jr 18,1-10).Que Deus possa nos dar essa experiência de fé e de realizações em nossa vida,a proposta de Deus é nos enviar para uma missão.Isso para nós é muito importante quando somos chamados para dar um novo ardor e experimentar essa graça de Deus sobre todos nós.Amém!

Louvado seja nosso Senhor Jesus Cristo! Para sempre seja louvado!

Joseph Charles D´Almada Batista

Comunidade Católica Fraternidade Pequena Via

A VIDA CONSAGRADA, IMAGEM DO SEGUIMENTO DE CRISTO

Mensagem da Comissão Episcopal Italiana para a 16ª Jornada Mundial da Vida Consagrada

ROMA, segunda-feira, 16 de janeiro de 2012 (ZENIT.org) – “Fazemos um sincero agradecimento pelo testemunho evangélico e pelo serviço à Igreja e ao mundo oferecido por vocês, totalmente consagrados ao seguimento de Jesus Cristo”.

Assim começa a mensagem da Comissão Episcopal Italiana publicada em 6 de janeiro, festa da Epifania, para a 16ª Jornada Mundial da Vida Consagrada, que se celebra em 2 de fevereiro de 2012.

“A sua presença carismática e a sua dedicação nos momentos difíceis são uma graça do Senhor, um sinal profético que nunca é apreciado o suficiente”, escreve a CEI, pedindo ao clero e à vida consagrada que acolham “cordialmente as orientações pastorais que a Igreja na Itália definiu para esta década”.

O tema da jornada é “Educar para a vida santa do Evangelho”, um convite que implica “educar-se para a vida santa de Jesus”, como um presente e como um compromisso primário de qualquer pessoa que pretenda ser seu discípulo.

São mencionadas na mensagem as palavras de João Paulo II, que, no documento Vita consacrata, escreveu que a consagração da própria vida “é a memória viva do existir e do agir de Jesus como Verbo encarnado na relação com o Pai e com os outros”.

A comissão episcopal escreve que o proprium da vida consagrada é reproduzir a forma de vida que Jesus abraçou e ofereceu aos discípulos, uma evangelica vivendi forma, um testemunho fundamental para todas as outras formas de vida cristã, que esboça um caminho ideal “educativo, antropológico e evangélico”.

A partir desta perspectiva, os bispos italianos evocam quatro notas, demonstrando a “coerência de vida com a vocação específica” e, ao mesmo tempo, a “fecundidade de um processo assíduo de formação”.

A primeira nota indica “o primado de Deus”. Assumindo que o principal desafio do nosso tempo é a secularização “que leva à exclusão e à insignificância de Deus e que deixa o homem sozinho com a sua raiva e o seu desespero”, como é frequentemente enfatizado por Bento XVI, a CEI destaca a necessidade urgente de uma nova evangelização “que coloque no centro da existência humana o primeiro mandamento de Deus, a confissão da Trindade e a palavra da salvação”.

“Na medida em que vocês testemunham a beleza do amor de Deus nas suas vidas transformadas pela beleza da sua santidade, vocês espalham aquele ‘bom perfume divino’ que pode levar a humanidade à sua vocação fundamental: a comunhão com Deus, que todo homem deseja”.

O segundo ponto é a fraternidade universal, “sonho de Deus, o Pai de todos”, que tem como objetivo a missão de Cristo e dos discípulos de “reunir os filhos dispersos de Deus”, muito atual no presente cenário de conflitos “que deterioram as relações humanas”.

Citando novamente as palavras do papa João Paulo II (“Para apresentar ao mundo de hoje a sua verdadeira face, a Igreja tem necessidade urgente de comunidades fraternas que, pela sua própria existência, são uma contribuição para a nova evangelização”), os bispos exclamam: “Como é belo o testemunho de Igreja que pode ser oferecido às paróquias, às famílias e aos jovens pela fraternidade autêntica, capaz de respeito, de acolhimento e de apoio!”.

Um convite, portanto, às comunidades religiosas para serem escolas de fraternidade “que comprometem os seus membros a aprender ao longo da vida com as virtudes evangélicas: a humildade, o acolhimento dos pequenos e dos pobres, a correção fraterna, a oração em comum, o perdão mútuo, o compartilhar da fé, do afeto fraterno e dos bens materiais”, sinais de um amor que “sabe como abrir-se para a Igreja particular, para a Igreja universal e para o mundo”.

Segue-se a exortação, na terceira nota, sobre o zelo divino, sobre o modelo de Jesus e dos apóstolos, que, “num mundo apático, dominado pelos instintos e pelas paixões”, testemunharam o extraordinário poder que provém do Espírito Santo, “fogo que consome, sarça que arde e que queima, sem nunca ser consumida”.

O próprio Bento XVI, dirigindo-se no discurso de 22 de maio de 2006 aos superiores gerais dos institutos de vida consagrada e das sociedades de vida apostólica, disse: “Pertencer ao Senhor significa ser incendiados pelo seu amor ardente, ser transformados pelo esplendor da sua beleza, manter sempre ardente no coração uma chama viva de amor”.

É justo com a perda desse zelo que, de acordo com os bispos, devemos nos preocupar, e “não tanto com a diminuição do número de vocações”, mas com a “falta do fogo de amor que animava Jesus e os santos”, um pretexto para uma vida medíocre.

“Para a nova evangelização, à qual a Igreja é hoje chamada, são necessárias pessoas apaixonadas por Jesus e pela humanidade, sentinelas que saibam interceptar os horizontes da história, das quais Deus, mais uma vez, decidiu servir-se para cumprir o seu desígnio de amor”. Novos santos, portanto, principalmente na vida consagrada, “que é desde sempre um laboratório do novo humanismo, um cenáculo de cultura que enriqueceu a literatura, a arte, a música, a economia e a ciência”.

Um último pensamento sobre o qual os bispos refletem é o estilo de vida “de essencialidade, de generosidade e de hospitalidade”, como sugerido pela pobreza evangélica, e focado na castidade consagrada, que “ajuda a regenerar a sexualidade e a dar ordem e verdadeiro significado aos afetos, orientando-os para um amor fiel e fecundo”.

O incentivo final, antes da conclusão da mensagem e da invocação da bênção da Virgem Maria sobre os consagrados, como perfeita discípula e mestra gentil, os convida a viver o zelo divino tal como Jesus viveu, “com a constância e a confiança que venceram as resistências mais duras e superaram os preconceitos mais perversos, e com o amor misericordioso que o levou a entregar-se para todos. Se o Espírito de Jesus habita em nossos corações, nós também podemos fazer o que Ele fez”.

Acesse:

Mensagem em Ocasião ao Dia da Vida Consagrada com o tema “Comunidade e Missão-Eles Perseveravam na Doutrina dos Apóstolos” (At 2,42)